quinta-feira, 7 de abril de 2011

Você tem culpa de quê?




Eu já senti culpa, muita culpa.
Pelo que falei e pelo que deixei de dizer.
Pelo que senti, principalmente quando tive ódio de alguém.
Já senti culpa pelos males do mundo. Quando grávida, chorava ao ver crianças no sinal.
Já me senti culpada, por ter discutido, mesmo tendo razão, e acabei pedindo desculpa.
Já me senti culpada por não ter e não querer ter um relacionamento com pessoas que me machucaram demais, e ainda machucam. E principalmente por essas pessoas serem da "família".
Já me torturei, já me puni, já me angustiei por não ter seguido o plano profissional que eu tracei e que todos apostavam em mim, como o cavalo quente na corrida do Jóquei.
Já fui punida, e já chorei, chorei... Por ter pedido exoneração de um concurso público, que hoje estaria me remunerando em mais ou menos 3.000,00.
Fui forçada pela vida a escolher entre o emprego e a saúde do Guilherme ( isto rende um outro post "vivi um milagre").
Vocês sabem qual foi a minha escolha.
Não me arrependo, jamais. Olho pra ele e faria tudo de novo. Mas que ainda dói, ah, isso dói.
Agora, você leitor, deve estar pensando: " A blogagem é para falar de não sentir culpa, e a Ana tá fazendo o contrário, tá expondo as culpas?"
É isso mesmo... Estou rasgando meu peito, e jogando-as para fora...
Tô exercitando diariamente a difícil capacidade de não me forçar a agradar aos outros, de não viver satisfazendo aos outros, de saber dizer um bom e tão útil NÃO!
Aqui em casa, nem todo dia tá tudo em ordem, sempre tem um cesto de roupa para passar. sempre tem roupa para lavar, tenho dois filhos pequenos. Quando eles estão aqui, a prioridade é eles. Não me mato para manter tudo brilhando, tudo eternamente à espera de visitas. Eu arrumo a casa, por partes, fazendo o que dá, mas tendo tempo pra meus filhos e para mim. Meu marido me ajuda, lava pratos, passa aspirador na casa, lava e passa suas roupas. Aqui somos parceiros, em tudo. Cuidamos juntos dos meninos, da casa e  de nós também.
Eu já quase entrei em depressão, porque eu queria ser perfeita, eu queria ter uma casa perfeita, uma família de comercial de margarina.

Essa neura me fez doente. E eu aprendi que tenho que ter tempo para mim, para um hobby, para conversar com as amigas. Tenho que ser feliz, inclusve para o bem da  família.
O blog, faz parte deste meu autotratamento. Porque se é pra ser uma dona de casa, que seja com glamour, com inteligência, com inovação, com leitura, com aprendizado, com utilidade, com AMOR!
Vocês, meus leitores, meus comentaristas, minha turminha do Twitter, são pílulas diárias de ânimo, de apoio, de felicidade, que tomo três vezes ao dia, impreterrivelmente.
Quando meu baixinho estiver mais forte, volto aos concursos, volto a minha meta para minha carreira profissional, por enquanto isso não chega, vou dando essa pausa gostosa aqui, curtindo minha vida de mulher-mãe-esposa-"dular"-crafiteira-blogueira e tuiteira!
E você, faz o quê com suas culpas? Jogue-as fora também. Seja feliz!




Esse post é integrante da Blogagem Coletiva Culpa Zero, uma ideia que surgiu num papo no twitter. Quer ver os que as outras blogueiras estão fazendo com suas culpas?
Visite-as também:

Iara---> Iara Poesias
Tays--> Tays Rocha
Luci Cardinelli-> @LuciCardinelli
Lola---> Mulheres em conflito
Ana Paula Santiago-> Inventando Casa
Simone--> Flor de Nina
* No decorrer do dia vou atualizando a lista.


 Tenha um dia livre de culpas!
E, sem culpa nenhuma, participe do sorteio de aniversário do Inventando Casa!



37 comentários:

  1. Querida Ana Paula, vc é uma pessoa admirável! Bonito texto-desabafo! Beijos e um ótimo dia!

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana
    Eu já consegui entrar nessa fase, mas o aprendizado é diario
    Ja me culpei demais por muitas coisas, coisas essas que nem eram causadas por mim hoje estou mais leve, mais feliz, mais realizada, sempre me policiando para não deixar a culpa tomar conta de mim
    Que bom que evoluimos!!!
    Beijo Ana bom dia pra ti!!!

    ResponderExcluir
  3. São tantos os motivos que nos fazem sentir culpadas, não é? Fico feliz por saber que você está vencendo isso. Realmente, quando estamos bem, quando nos amamos mais, também podemos fazer os outros mais felizes.

    beijos e ótimo dia!

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana...adorei seu desabafo...a culpa precisa ser rasgada do nosso peito mesmo..adoro a forma real que vc mostra sua vida..a vida é cheia de escolha..mas devemos ser felizes com as escolha que fazemos..antes de agradar os outros precisamos agradar a nós mesmos..beijos e amei!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ana,
    Acho que somos todas iguais. Sentimos culpa de tudo, né? E sou uma pessoa que não consigo dizer "NÃO" para as pessoas e me sinto mais culpada ainda. Mas com a ajuda de vocês do twitter estou melhorando. Vocês são as minhas verdadeiras terapeutas! Agora com o blog vou poder jogar também um pouco dessa culpa por lá.
    Também fiz a blogagem: http://adrianabalreira.blogspot.com/
    Beijos
    Adriana Balreira

    ResponderExcluir
  6. Não curto muito esse negócio de culpa. Esqueço rapidinho.

    ResponderExcluir
  7. Vi agora que sou a campeã de comentários. Não sei se isso é bom ou ruim.

    ResponderExcluir
  8. Bom dia, abia q tu me inspirou?! Me empolguei com teu sorteio e resolvi fazer uma promoção no meu blog, se quiser dar uma olhadinha e participar, vou adorar!
    http://vidaloucadecasada.blogspot.com/

    beijnhos!

    ResponderExcluir
  9. Hum, bacana.

    Acho que a maior gratificação que uma mulher pode receber é o sorriso de um filho. Td vai bem se eles estão bem. Acredito que vc fez certo em coloca-los como prioridade em sua vida. Eu coloquei os meus e não me arrependo. Penso que a maior parte da violência atual hoje em dia e por conta da falta de mãe. Os filhos de mães que trabalham fora, colocam suas profissões a frente deles, são sempre muito mais violentos e problemáticos. Tenho notado que valores feminninos tem sido resgatados nos últimos tempos. É só parar para darmos uma olhada em quantos lares temos interligados e quantos estão de olho em nós, se inspirando em nossas rotinas.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Que post lindo! Abrir o coração é o primeiro passo para deixar a culpa de lado. Culpa não leva a nada, o que nos dá retorno é nos conhecermos verdadeiramente. E isto você sabe, mostrou isto no seu post. Parabéns. Bjks

    ResponderExcluir
  11. Olá, querida
    Com o passar do tempo (a idade vem chegando) e a consciência de culpa me trouxe creacimento em todos os níveis do meu ser...
    Foi bom!!! relaxei...
    Mas é preciso investir mais e distender... a vida merece ser bem vivida...
    O Blop também me ajudou nesse processo...
    Bjs de paz e culpa zero.

    ResponderExcluir
  12. Que bom que você está determinada a expurgar suas culpas. A expulsá-las da sua vida.
    Não podemos desistir de nós mesmos,muito menos desistir de ser feliz.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Oi Ana, não acho nada fácil dizer um não e deixar a culpa de lado, mas tbem venho me exercitando qto a isso. Lindo desabafo.
    Menina, hj é que me toquei q vc tinha perguntado da almofada com coração, desculpa mas minha cabeça anda muito beleléu.
    O que fiz foi o seguinte: cortei um coração no tecido xadrez com a mesma cor do estampado da almofada, costurei no lado direito de uma banda da almofada, com ponto zigue-zague, deixando um espaço sem costura pra encher com plumante, feito isso, fechei o que faltava na máquina. Pronto, o restante foi uma montagem normal de almofada, onde um dos lados já tinha um coração fofinho, rs. Só isso, estou me sentindo, kkkkk eu explicando costura... quando imaginei isso??? Bjsssssssss.

    ResponderExcluir
  14. Ai amiga tu não rasgou o peito, fez uma sessão de psiqu, aqui ao vivo rsrsrsr, to brincando, olhou o meu?Uma choradeira, então é isso, não existe culpa zero...Aliás não existe todo dia, mas de vez enquando é bommmmm

    Te cuida, relaxa que temos muito pra viver...
    beijos
    Fernanda

    ResponderExcluir
  15. Ai amiga tu não rasgou o peito, fez uma sessão de psiqu, aqui ao vivo rsrsrsr, to brincando, olhou o meu?Uma choradeira, então é isso, não existe culpa zero...Aliás não existe todo dia, mas de vez enquando é bommmmm

    Te cuida, relaxa que temos muito pra viver...
    beijos
    Fernanda

    ResponderExcluir
  16. Me identifiquei muito com tudo que vc disse, a gente se cobra demais, e não nos permitimos errar, eu sou assim, qdo erro, parece que o mundo vai acabar, aí vem a "culpa".
    Mas com o tempo a gente aprende, eu estou aprendendo muito ainda, espero melhorar a cada dia.
    Um beijo grande e obrigada pelo post tão lindo.
    Beijos
    Soraya

    ResponderExcluir
  17. Oi, Ana Paula.
    Vim ao seu blog através da blogagem sobre a culpa.
    Viver sem ela é quase impossível.
    Mas pode-se minimizá-la, sim.
    Digo-lhe, pela minha idade, que a luta tem que começar desde muito cedo, desde criança, mesmo. E como mães, temos o difícil trabalho de não ensinar aos filhos a ter culpa. O mundo mesmo vai cuidar disso, infelizmente.
    Mas temos que ensinar responsabilidade e aceitar as consequencias dos nossos atos.
    Difícil missão!
    (Já tinha vindo ao seu blog, só para leitura. Gostei muito!)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  18. Ana querida!!!
    Acho que nos mulheres ja nascemos com essa tendencia..rs...a culparnos por tudo. Mas a maturidade faz a gente aprender a ser feliz e peneirar todas essas culpas.
    Parabens pelo lindo texto,adorei a parte da casa esperando eternamente por uma visita...hahaha...sou assim mesmo, preciso urgentemente mudar isso!!!
    Beijocas!!

    ResponderExcluir
  19. A gente sempre se culpa por alguma coisa,e a cobrança se torna uma aliada da vida.Já cobrei mais de mim,hoje procuro fazer o que der,e amanhã resolvo o que faltou.Dizer NÃO,é o que aprendi,e que venho aprendendo a dizer.
    Continue assim amiga,com o tempo conseguimos superar e ser mais felizes.
    Adorei seu post.
    Beijooo

    ResponderExcluir
  20. Faz um bem danado, por a culpa pra fora. Se livrar mesmo. Ideia magnífica essa blogagem.

    Beijossssssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  21. Oi Aninha,

    Querer beirar a perfeição é inevitável, mas um dia a ficha cai de que também é improvável. Já fui muito mais perfeccionista do que hoje e o que me resultou em uma baixa imunidade e alguns anos num processo de furunculose. E o que todos os médicos diziam: É emocional! E uma nutricionista uma vez me disse que em quanto eu vivesse daquela forma, viveria doente.

    Foi o ponto de partida para aceitar minha imperfeição, para tentar driblar a culpa.

    Adorei ler seu relato. Mulher de força, de garra! ;0D

    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Olá Ana Paula

    Que bom compartilhar com vocês esta Blogagem coletiva.
    Como faz bem recordar, desabafar.
    A vida vai se moldando e vamos renovando as nossas escolhas e deixando de lado essa culpa que não nos leva a nada.O que importa é estar bem com você e ser feliz.

    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Ai Ana,

    Seu texto chega fez meu peito apertar de tanta culpa que reconheci entre sua listagem de culpas. Pulei ela na metade e fui pros finalmentes.

    Vou eliminando as minhas aos poucos, porque tudo de vez assim é demais para meu pobre coração sensível. rs.

    Gostei de sua listagem no fim do post. Vou adotá-la pra mim também, tá?

    Beijos carinhosos

    ResponderExcluir
  24. Olá, Ana Paula.
    Realmente é preciso jogar as culpas para escanteio e viver sem culpas!
    Acho que as mulheres , principalmente as mães sofrem mais com as culpas.
    Bem , agora vou participar do seu sorteio.
    Sem culpa!
    Um beijo
    accvalle@ibest.com.br
    http://eoutrascoisitasmais.blogspot.com/2011/04/culpa-zero.html

    ResponderExcluir
  25. Olá Ana Paula!!
    Pode ter certeza que com tudo que voce escreveu não há o que sentir culpa de forma alguma. renunciar, pedir exoneração, se dedicar as pessoas que se ama, nao condiz com a culpa.
    tem mais caracteristica de quem não deixa nem ela se instalar!!!
    Gostei do seu post, vc é uma guerreira.

    bjs
    Edna Santos

    ResponderExcluir
  26. Acho que sou a pessoa que mais se culpa em todo o Cosmos... exagero? Sei lá, sou mesmo uma chata! Meu marido vive me corrigindo, mas dali a pouco tô eu me culpando... é difícil, né?
    As vezes não dá tempo de ter tempo pros meus filhos e então, parece que no outro dia eles arranjam uma febre, e eu me culpo... é a culpa que mais carrego... carrego até culpa de pensamento... pode?
    Ana, querida, hj tô tão pra baixo...aí vc me pergunta "por quê"? E eu te respondo NÃO SEI... acho que é uma mistura de tudo que venho passando... ai, deleta! Desculpa, mas é bom desabafar, né? Sai um pesiho do coração... o blog tbém nos ajuda nessa parte... pra desabafar...

    Beijosssss!!!!

    ResponderExcluir
  27. Minha irmãzinha de coração que tanto gosto, seguimos assim, deixando nossas culpas abandonadas ao longo dos dias, e a cada culpa abandonada iniciemos um novo sonho, mesmo que nos primeiros tempos sejam somente isso, somente sonho. Vamos construindo eles dia após dia, preparando nosso terreno, nosso caminho e abrindo a nossa estrada. Porque o futuro ele nos espera ali, na outra esquina, na próxima rua, sentado num banco de praça alimentando os pombos, e se o encontrarmos livre de culpa, leves e com aquele sorriso de quem se ama no rosto ele nos receberá de braços abertos.
    Te encontrar diariamente neste nosso mundinho me faz muito mais feliz.
    Te adoro e sabes disso, mas é sempre bom repetir.

    ResponderExcluir
  28. Vc ja'disse tudo ai: teu filho PRECISA DE TI AGORA! o din-din e'bom? CLAROOOO! Mas ele pode ser feito de outras maneiras e vc pode conquistar seu CONCURSO PUBLICO de novo! MAS FILHO E' UM SO'!
    A ESCOLHA CERTA nao da' lugar a culpa!

    Mil bjs!

    Ah!
    Tb to participando dessa Blogagem Coletiva! Gostei bastante!
    Taqui a minha o':
    http://umamaeexpatriada.blogspot.com/2011/04/por-uma-vida-mais-feliz-e-leve-culpa.html

    ResponderExcluir
  29. Impossível dizer que não existem ou não existirão mais culpas, porque isto é inerente à vontade de nós, seres humanos. Mas se a gente puder refletir e principalmente ponderar nossas atitudes e agir sempre de forma correta com as pessoas que nos cercam, com certeza as culpas diminuirão e muito na nossa mente. As culpas muitas vezes estão ali e somente ali, fixadas na mente, sem fundamento algum para existirem de fato.

    Acho que vale a reflexão.

    ResponderExcluir
  30. Penso que não será a primeira vez que entro em seu espaço. Gosto da forma que escreve e do formato do blogue. Estarei sempre por cá para lêr teus belos postes. Vou ser seu seguidor, seja meu também em:

    transpondo-barreiras.blogspot.com
    congulolundo.blogspot.com
    minhalmaempoemas.blogspot.com
    queriaserselvagem.blogspot.com


    Um grande abraço e tudo de bom. Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  31. Mãe, Jesus abençoa quem faz o bem como você. Então ficam em paz que logo logo seu filhinho vai estar mais forte e você volta para conquistar seus sonhos profissionais.

    ResponderExcluir
  32. oi flor, com certeza a vitoria já é sua, sossegue seu ♥, Deus vai lhe compensar, beijos, bom final de semana!!!

    ResponderExcluir
  33. Ah, querida, vc está certa: mulher vem com culpa de fábrica, rsrs. E sabe o que mais gostei nessa nossa blogagem coletiva: exatamente disso que vc fez. Da chance de colocar tudo isso para fora e de ver que o problema de uma é o problema de todas. E que juntas somos mais fortes do que sozinhas. É o que sinto nos bate-papos no twitter, nos blogs amigos, em toda essa vivência que temos nesse mundo que não é nada virtual.
    Um lindo final de semana para vc.
    bjs

    ResponderExcluir
  34. Oi Ana,

    Estou tendando jogar as minhas culpas fora também e viver mais levemente.
    Esta blogagem está sendo sim um grande exercicio de reconhecimento das coisas que carregamos, as vezes sem necessidade.

    Nesta frase você resumiu bem o que todas devemos fazer

    'Estou rasgando meu peito, e jogando-as para fora...
    Tô exercitando diariamente a difícil capacidade de não me forçar a agradar aos outros, de não viver satisfazendo aos outros, de saber dizer um bom e tão útil NÃO!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  35. Adorei esse texto..e o melhor a parceria da família...isso conta muito e aqui em casa tb somos uma perceria...Paz e bem

    ResponderExcluir
  36. Ana Paula,
    Como foi boa essa blogagem coletiva, exteriorizamos fantasmas, medos, traumas, e com isso podemos partir para um novo começo.
    Sei o qanto é difícil viver na culpa e os males que ela nos traz.
    Não falei sobre o Lúpus antes pois é uma situação que não quero aceitar, estou tapando o sol com a peneira. porque se o resultado for confirmado, só tenho como perspectiva a cirúrgia do estômago para diabetes, para assim poder iniciar o tatamento de lúpus. O exame definitivo farei na próxima crise que tiver, até lá faço de conta que não tenho nada. Claro que posso tomar os medicamentos de lúpus e passar a insulina, mas esse é um tratamento sem volta, quando passar a usar a insulina terei que fazer mais alterações na minha vida e mais longe da cura do diabetes, só que até lá não pensarei no problema, não me permito falar disso, a não ser quando a situação pesa muito, tenho um filho pequeno e é esse meu maior incentivo.
    Agora quero mais é blogar, twittar, comer bala da discórida, falar italiano, costurar, fazer séquiçu e só coisas que me dão prazer.
    Grandes beijos e ótimo domingo

    ResponderExcluir
  37. AMEI! ESSE DEPOIMENTO CHEGOU À TEMPO.ESTOU FAZENDO ANÁLISE. POR CAUSA DA CULPA,TALVÉS POR NÃO PODER CONSERTAR O MUNDO. LENDO ESTE SEU RELATO, PUDE VER COMO É BOM TER PESSOAS SE LIBERTANDO DESTA MALDITA CULPA.FAREMOS A NOSSA PARTE E DESCOBRIREMOS QUE NO FINAL TODOS ESTARÃO BEM.SEJA FELIZ, HOJE! BJS

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário: